As companhias aéreas que operam no mercado latino-americano e caribenho transportaram em julho de 2020 4,9 milhões de passageiros, o equivalente a 87,6% a menos do que no mesmo período do ano anterior.

Apesar da redução ainda importante do volume de tráfego em relação a 2019, os números apontam para uma tendência de recuperação do setor aéreo na região. As informações constam no relatório de tráfego mensal da Associação Latino-Americana e do Caribe de Transporte Aéreo (ALTA).

O levantamento mostra que houve um aumento significativo para quase 4,5x o número de passageiros do ponto mais baixo de tráfego aéreo do ano, registrado em abril, quando apenas 1,1 milhão de pessoas foram transportadas.

“Um marco definitivo de julho foi a reabertura de importantes mercados, como a República Dominicana, uma etapa importante para o Caribe, onde grande parte dos turistas que visitam a região chegam por via aérea”, ressalta José Ricardo Botelho, diretor-executivo e CEO da ALTA.

No acumulado de 2020, a redução no tráfego de passageiros ultrapassa 56%, volume superior às projeções de redução feitas em abril, quando se estimava que a queda no tráfego aéreo seria de cerca de 50% em 2020 em comparação a 2019.

Expectativas

Para agosto, a expectativa é de que os números irão mostrar a continuação da melhora nos níveis de tráfego de passageiros, devido à reativação do setor no Panamá (para voos de conexão), Costa Rica e Honduras.

“É o momento oportuno para abrir os céus e colocar em ação o importante trabalho que vem sendo realizado com os setores público e privado de concretização de protocolos coordenados e harmonizados para revitalizar completamente a cadeia do turismo”, conclui José Ricardo Botelho.

Fonte: Aeroin 10/09/2020

  : aviacao-comercial, brasil, internacional