Novos dados do Conselho Internacional de Aeroportos (Airports Council International – ACI) mostram que o impacto adverso duradouro da crise da Covid-19 deve significar um volume de 5,2 bilhões de passageiros a menos, até o final deste ano, em comparação à previsão anterior à pandemia para 2021.

Apesar das recentes notícias positivas de reabertura de fronteiras em alguns mercados, o tráfego global de passageiros em 2021 ainda deve atingir apenas metade do que era em 2019, com o tráfego total previsto em apenas 4,6 bilhões dos 9,2 bilhões de passageiros atendidos dois anos atrás.

O tráfego doméstico de passageiros continua a se recuperar mais rapidamente do que o mercado internacional, com previsão de atingir mais de 3,1 bilhões de passageiros até o final do ano, patamar que corresponde a 58,5% do alcançado em 2019.

A partir da redução de tráfego, o ACI World estima que os aeroportos mundiais devem perder mais de US$ 111 bilhões em receitas este ano, US$ 3 bilhões a mais do que o projetado na avaliação anterior, de julho de 2021.

Embora os novos dados indiquem piora do desempenho financeiro anual esperado dos aeroportos no mundo, especialmente para o quarto trimestre do ano, o ACI ainda espera que cada trimestre de 2021 apresente uma melhora em relação ao trimestre anterior.

Em comparação com a previsão anterior à Covid-19 para 2021, a projeção para o déficit de receita trimestral é de melhora: de uma queda de 69,9% no primeiro trimestre para uma redução de 47,4% no quarto trimestre.

O brasileiro Luis Felipe de Oliveira, diretor-geral do ACI World, comentou:

“A velocidade da recuperação continua a depender substancialmente de várias partes interessadas e do nível de coordenação adotado pelos governos em todo o mundo. Embora o mercado global de viagens ainda esteja deprimido, mais e mais países estão se movendo em direção à reabertura gradual de suas fronteiras para viajantes vacinados.

“Apesar de uma recuperação tardia em comparação com as previsões anteriores, esta tendência traz um otimismo renovado de que as viagens aéreas podem ter um aumento em 2022, levando a indústria para mais perto da recuperação. Esperamos que a iminente flexibilização das restrições de viagens nos Estados Unidos abra caminho para que outros países reabram suas fronteiras com segurança.

“O ACI World continua a defender a importância de uma abordagem pragmática e baseada em risco para gerenciar a recuperação sustentável da indústria da aviação enquanto o setor se prepara para o retorno da demanda de tráfego aéreo. Ações governamentais para promover viagens seguras – incluindo uma abordagem coordenada e baseada em risco para testagem e vacinação – são fundamentais, em vez da aplicação de restrições em grande escala e medidas gerais”.

Novas projeções também revelam que a crise da Covid-19 deve reduzir em mais de 3,6 bilhões o volume de passageiros em 2022, o que representa uma redução de 28,3% em relação aos níveis de 2019.

Da mesma forma, espera-se que o impacto da pandemia reduza as receitas dos aeroportos no próximo ano em mais US$ 78,6 bilhões, ou 29,3%, em comparação com 2019. No entanto, espera-se que, como em 2021, cada trimestre de 2022 registre uma melhora em relação ao anterior.

O ACI World lançará em breve o Annual World Airport Traffic Report de 2021, que fornece uma análise detalhada das tendências operacionais e de tráfego aeroportuário de 2020, bem como uma análise de 2021 nos principais mercados de aviação do mundo. A principal publicação do ACI fornece dados de tráfego de passageiros, carga e aeronaves em aeroportos; classificações; e tendências para mais de 2.600 aeroportos em mais de 180 países e territórios em todo o mundo.

Fonte: AeroIn 02/11/2021

  : aviacao-comercial, aviacao-executiva, aviacao-geral, brasil, internacional