A Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA – International Air Transport Association) apresentou as principais características do IATA Travel Pass, um aplicativo móvel para ajudar os viajantes a gerenciar suas viagens com facilidade e segurança, seguindo as exigências dos governos para testes da COVID-19 ou informações sobre vacinas.

“O teste é a solução imediata para reabrir as fronteiras e restabelecer com segurança a conexão entre as pessoas. E, por fim, isso provavelmente fará a transição para os requisitos de vacinação. Nos dois casos, é essencial ter um sistema seguro para gerenciar as informações sobre o teste ou vacina da COVID-19.”

“O IATA Travel Pass é uma solução em que viajantes e governos podem confiar. E está sendo construído considerando a segurança de dados, conveniência e verificação de informações como principais prioridades”, disse Alexandre de Juniac, diretor geral e CEO da IATA.

A IATA destacou essas prioridades com três características fundamentais da solução:

1. Os viajantes controlam suas informações pessoais, garantindo alto nível de segurança e privacidade de dados. O IATA Travel Pass armazena dados criptografados, incluindo resultados de testes e vacinação, no dispositivo móvel do viajante. O viajante controla quais informações deseja compartilhar com companhias aéreas e autoridades usando seu telefone. Nenhum banco de dados ou repositório de dados central armazenará essas informações. Ao manter os viajantes 100% no controle de suas informações, são garantidos os mais altos padrões de privacidade de dados. O IATA Travel Pass também usa os mais altos padrões de leis de proteção de dados, incluindo o GDPR (General Data Protection Regulation) da União Europeia.

Tecnicamente, o aplicativo está sendo desenvolvido de acordo com os princípios da identidade digital descentralizada (SSI – Self-Sovereign Identity*). O IATA Travel Pass deve ser lançado no início do primeiro trimestre de 2021 para dispositivos Android e iPhone.

O aplicativo usará o recurso Secure Enclave nos aparelhos iPhone e uma tecnologia de criptografia de segurança semelhante nos dispositivos Android.

2. Padrões globais reconhecidos por governos para garantir a verificação de identidade e informações de teste/vacina.

3. Verificação de identidade: O passaporte eletrônico emitido pelo governo é usado para verificar a identidade do usuário. Ele também serve para criar uma representação digital do passaporte do usuário e assim permitir que as informações sejam enviadas eletronicamente com segurança, de forma vinculada à sua identidade verificada, tudo com base nos padrões globais desenvolvidos pela Organização da Aviação Civil Internacional (OACI), que combinam os dados biométricos do passaporte e uma selfie tirada pelo usuário, criando uma credencial de viagem digital Tipo 1 (identificação digital verificada**) de acordo com os padrões da OACI.

4. Verificação de resultados de teste ou informações da vacina: Atualmente, a principal vacina exigida para a entrada em alguns países é contra a febre amarela. De acordo com o Regulamento Sanitário Internacional (RSI), essas exigências são gerenciadas com o “cartão amarelo” ou Certificado Internacional de Vacinação e Profilaxia. A Organização Mundial da Saúde (OMS) está desenvolvendo padrões digitais para aumentar a segurança e reduzir drasticamente as fraudes que envolvem esses certificados de vacina. Quando estiver pronto, o IATA Travel Pass poderá atender a esses novos padrões globais.

Enquanto a vacina contra a COVID-19 não está amplamente disponível para o público em geral, a prioridade é o teste da COVID-19. Os laboratórios seguem padrões de segurança bem estabelecidos para gerenciar e verificar os resultados dos testes. A IATA está fazendo parcerias com laboratórios selecionados e consolidados para vincular com segurança seus resultados de teste com a identidade verificada do portador do IATA Travel Pass.

5. Maior conveniência e biossegurança com a integração a processos de viagens sem contato. As recomendações para biossegurança do grupo de estudo CART da OACI incluem o uso de processos de viagem sem contato para reduzir o risco de transmissão de vírus quando os documentos precisam ser verificados no processo de viagem.

O setor tem desenvolvido há vários anos processos de viagens sem contato como parte do programa de transformação One ID. O módulo de gerenciamento de identidade digital IATA Travel Pass utiliza os princípios bem desenvolvidos de One ID (que são, por sua vez, baseados nos padrões OACI).

Para o passageiro, isso quer dizer que o IATA Travel Pass também permitirá processos convenientes de viagem sem contato, do check-in ao embarque. Com isso, mesmo que a necessidade de verificar informações sobre a COVID-19 eventualmente desapareça quando superarmos a pandemia, o IATA Travel Pass permanecerá como um passo ousado na implementação de viagens sem contato.

A pesquisa da IATA em meio à crise da COVID-19, publicada em setembro de 2020, mostra que os processos sem contato serão populares entre os viajantes: 70% dos passageiros estavam preocupados com a contaminação ao entregar seu passaporte, telefone ou cartão de embarque aos agentes da companhia aérea, pessoal de segurança ou funcionários do governo no aeroporto.

Cerca de 85% dos viajantes disseram que se sentiriam mais seguros com os processos sem contato em todo o aeroporto, e 44% dos viajantes disseram que desejam compartilhar dados pessoais para permitir o processo sem contato, um aumento significativo em relação aos 30% registrados em junho.

A IATA está desenvolvendo o IATA Travel Pass em quatro módulos independentes que podem interagir entre si. Esses módulos tratam de registros para requisitos regulatórios de entrada nos países e laboratórios/centros de teste, emissão de certificados de verificação, identidade digital e recurso para passageiros de compartilhamento de resultados de testes durante a viagem usando seus dispositivos móveis.

Os padrões abertos permitem que os módulos sejam usados como uma solução ou para complementar os recursos que estão sendo desenvolvidos por outros provedores de soluções.

“Estamos desenvolvendo o IATA Travel Pass com um objetivo: ajudar a reconectar nosso mundo com segurança. A IATA trouxe avanços para os padrões globais, como passagens eletrônicas e cartões de embarque no celular para consumidores em todas as regiões do mundo. Esta capacidade única mostra que podemos trabalhar com o setor e os governos para reformular os processos de viagens com base em padrões globais.”

“Estamos confiantes de que podemos oferecer uma solução completa com o IATA Travel Pass. Além disso, outras soluções com o mesmo objetivo de reabertura do setor também podem se beneficiar do IATA Travel Pass. Queremos que as companhias aéreas tenham um mercado competitivo com a mais ampla variedade de opções que atendam às suas necessidades específicas”, disse Nick Careen, vice-presidente sênior da IATA para aeroportos, passageiros, carga e segurança.

O Timatic da IATA é um componente fundamental do IATA Travel Pass. Há décadas, o Timatic fornece informações confiáveis sobre os requisitos de entrada nos países para companhias aéreas e viajantes. A integração do Timatic no modelo de registro de requisitos de entrada do IATA Travel Pass fornece um processo estabelecido de coleta, verificação, atualização e distribuição global dessas informações.

Fonte: Aeroflap 18/12/2020

  : aviacao-comercial, brasil, internacional