A Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA – International Air Transport Association) e a Tourism Economics divulgaram uma previsão de longo prazo para a recuperação da demanda de passageiros após a COVID-19, que mostra que as pessoas continuam ansiosas para viajar no curto e longo prazo.

Para garantir que a aviação forneça de forma sustentável seus benefícios sociais e econômicos ao atender a essa demanda, é fundamental que os governos intensifiquem seu apoio a operações mais eficientes e promovam uma transição eficaz, diz a instituição. 

Os destaques da previsão incluem:

• Em 2021, o número global de passageiros deve atingir 52% dos níveis pré-COVID-19 (2019).

• Em 2022, o número global de passageiros deve atingir 88% dos níveis pré-COVID-19.

• Em 2023, o número global de passageiros deve ultrapassar os níveis pré-COVID-19 (105%).

• Até 2030, o número global de passageiros deve atingir 5,6 bilhões. Isso significa 7% abaixo da previsão pré-COVID-19 e uma perda estimada de 2 a 3 anos de crescimento devido à pandemia da COVID-19.

• Após 2030, as viagens aéreas devem desacelerar, devido a uma redução demográfica e uma hipótese de abertura limitada do mercado, gerando crescimento médio anual de 3,2% entre 2019 e 2039. Antes da COVID-19, previsão de crescimento da IATA para este período era de 3,8%.

A recuperação no número de passageiros é um pouco mais forte do que na demanda, medida em passageiro pagante-quilômetro (RPKs) e deve crescer a uma média anual de 3% entre 2019 e 2039. Isso se deve à força dos mercados domésticos, como China, com grande número de passageiros e distâncias mais curtas.

“Estou sempre otimista em relação à aviação. Estamos na crise mais grave da nossa história, mas o aumento rápido no número de pessoas vacinadas e os avanços nos testes trarão de volta a liberdade de voar nos próximos meses. E quando isso acontecer, as pessoas vão querer viajar. O desafio imediato é reabrir as fronteiras, eliminar as medidas de quarentena e gerenciar digitalmente os certificados de vacinação e teste. Ao mesmo tempo, devemos garantir ao mundo que as perspectivas de crescimento da aviação no longo prazo são apoiadas por um compromisso inabalável com a sustentabilidade. Esses dois desafios exigem que os governos e o setor trabalhem em parceria. A aviação está pronta. Mas não vejo governos se movendo no mesmo ritmo”, disse Willie Walsh, diretor geral da IATA.

Fonte: Aeroflap 27/05/2021

 

  : aviacao-comercial, internacional