A IATA demonstrou hoje (08) a baixa incidência de transmissão de COVID-19 a bordo com uma contagem atualizada de casos publicados, juntamente com informações da Airbus, Boeing e Embraer.

Desde o início de 2020, houve 44 casos de COVID-19 relatados, nos quais a transmissão parece ter sido associada a uma viagem de voo (incluindo casos confirmados, prováveis ??e potenciais). No mesmo período, cerca de 1,2 bilhão de passageiros viajaram.

“O risco de um passageiro contrair COVID-19 enquanto a bordo parece muito baixo. Com apenas 44 casos potenciais identificados de transmissão relacionada ao voo entre 1,2 bilhão de viajantes, esse é um caso para cada 27 milhões de viajantes. Reconhecemos que isso pode ser uma subestimativa, mas mesmo se 90% dos casos não fossem relatados, seria um caso para cada 2,7 milhões de viajantes. Achamos que esses números são extremamente tranquilizadores. Além disso, a grande maioria dos casos publicados ocorreu antes que o uso de máscaras faciais a bordo se generalizasse”, disse o Dr. David Powell, Conselheiro Médico da IATA.

Um novo insight sobre por que os números são tão baixos veio da publicação conjunta da Airbus, Boeing e Embraer de pesquisas separadas sobre dinâmica de fluidos computacional (CFD) conduzidas por cada fabricante em suas aeronaves.

Embora as metodologias sejam ligeiramente diferentes, cada simulação detalhada confirmou que os sistemas de fluxo de ar da aeronave controlam o movimento das partículas na cabine, limitando a propagação de vírus.

Os dados das simulações produziram resultados semelhantes nas seguintes questões:

  • Os sistemas de fluxo de ar da aeronave, filtros de partículas de ar de alta eficiência (HEPA), a barreira natural do encosto do banco, o fluxo descendente de ar e as altas taxas de troca de ar reduzem com eficiência o risco de transmissão de doenças a bordo.
  • O uso de máscara em meio a preocupações com a pandemia acrescenta uma camada adicional significativa de proteção, o que torna mais seguro sentar-se em uma cabine de uma aeronave do que na maioria de outros ambientes internos.

Coleção de dados

A coleta de dados da IATA e os resultados das simulações separadas alinham-se com os baixos números relatados em um estudo revisado por pares publicado recentemente por Freedman e Wilder-Smith no Journal of Travel Medicine.

Embora não haja maneira de estabelecer uma contagem exata de possíveis casos associados a voos, o alcance da IATA às companhias aéreas e às autoridades de saúde pública, combinado com uma revisão completa da literatura disponível, não produziu qualquer indicação de que a transmissão a bordo seja de alguma forma comum ou generalizada.

Além disso, o estudo Freedman / Wilder-Smith aponta para a eficácia do uso de máscara em reduzir ainda mais o risco.

As camadas de medidas preventivas

O uso de máscara a bordo foi recomendado pela IATA em junho e é um requisito comum na maioria das companhias aéreas desde a subsequente publicação e implementação da Orientação de Decolagem pela Organização da Aviação Civil Internacional (ICAO).

Esta orientação adiciona várias camadas de proteção no topo dos sistemas de fluxo de ar que já garantem um ambiente de cabine seguro com riscos muito baixos de transmissão de doenças a bordo.

As características do projeto da aeronave adicionam uma camada adicional de proteção, contribuindo para a baixa incidência de transmissão em voo. Esses incluem:

  • Interações cara a cara limitadas, pois os passageiros olham para a frente e se movem muito pouco.
  • O efeito do encosto atuando como uma barreira física ao movimento do ar de uma fileira para outra.
  • A minimização do fluxo de ar na horizontal, com um projeto de fluxo direcionado geralmente para baixo, do teto ao chão.
  • A alta taxa de ar fresco que entra na cabine. O ar é trocado 20-30 vezes por hora a bordo da maioria das aeronaves, o que se compara muito favoravelmente com o espaço médio de escritório (média de 2-3 vezes por hora) ou escolas (média de 10-15 vezes por hora).
  • O uso de filtros HEPA com mais de 99,9% de taxa de eficiência de remoção de bactérias / vírus, garantindo que o suprimento de ar que entra na cabine não seja um caminho para a introdução de micróbios.

Estudos das Fabricantes

A interação desses fatores de design na criação de um ambiente de baixo risco exclusivo foi intuitivamente compreendida, mas não previamente modelada antes das simulações CFD pelos três principais fabricantes em cada uma de suas cabines de aeronaves.

Embraer

Usando modelos de CFD, fluxo de ar da cabine e dispersão de gotas validados em testes de ambiente de cabine em escala real, a Embraer analisou o ambiente de cabine considerando um passageiro com tosse em vários assentos e condições de fluxo de ar em diferentes aeronaves para medir essas variáveis ??e seus efeitos.

A pesquisa realizada pela Embraer mostra que o risco de transmissão a bordo é extremamente baixo e os dados reais sobre as transmissões em voo que podem ter ocorrido corroboram esses dados encontrados.

 

Luis Carlos Affonso, Vice-Presidente Sênior de Engenharia, Tecnologia e Estratégia da Embraer, disse: “A necessidade humana de viajar, se conectar e ver nossos entes queridos não desapareceu. Na verdade, em momentos como este, precisamos de nossos famílias e amigos ainda mais. Nossa mensagem hoje é que, devido à tecnologia e aos procedimentos em vigor, você pode voar com segurança – todas as pesquisas demonstram isso. Na verdade, a cabine de uma aeronave comercial é um dos espaços mais seguros disponíveis em qualquer lugar durante este pandemia.”

Airbus

A Airbus usou CFD para criar uma simulação altamente precisa do ar em uma cabine do A320, para ver como as gotas resultantes de uma tosse se movem dentro do fluxo de ar da cabine. A simulação calculou parâmetros como velocidade do ar, direção e temperatura em 50 milhões de pontos na cabine, até 1000 vezes por segundo.

A Airbus então usou as mesmas ferramentas para modelar um ambiente não aeronáutico, com vários indivíduos mantendo seis pés (1,8 metros) de distância entre eles. O resultado foi que a exposição potencial à COVID-19 era menor quando sentados lado a lado em um avião do que quando estavam a dois metros de distância em um ambiente como um escritório, sala de aula ou supermercado.

 

“Após várias simulações altamente detalhadas usando os métodos científicos mais precisos disponíveis, temos dados concretos que revelam que a cabine da aeronave oferece um ambiente muito mais seguro do que espaços públicos internos”, disse Bruno Fargeon, Airbus Engineering e líder do Airbus Keep Trust na Iniciativa de Viagem Aérea. “A forma como o ar circula, é filtrado e substituído nos aviões cria um ambiente absolutamente único no qual você tem tanta proteção sentado lado a lado quanto se estivesse a dois metros de distância no solo.”

Boeing

Usando CFD, os pesquisadores da Boeing rastrearam como as partículas da tosse e da respiração se movem pela cabine do avião.

Vários cenários foram estudados, incluindo o passageiro com tosse com e sem máscara, o passageiro com tosse localizado em vários assentos, incluindo o assento do meio, e diferentes variações das aberturas de ar individuais dos passageiros (conhecidas como gaspers) ligadas e desligadas.

 

“Essa modelagem determinou o número de partículas de tosse que entraram na respiração dos outros passageiros”, disse Dan Freeman, engenheiro-chefe da Iniciativa de Viagem Confiante da Boeing. “Em seguida, comparamos um cenário semelhante em outros ambientes, como uma sala de conferência de escritório. Com base na contagem de partículas aerotransportadas, os passageiros sentados lado a lado em um avião é o mesmo que ficar a mais de sete pés (ou dois metros) de distância em um ambiente típico do dia-a-dia”.

Fonte: Aeroflap 08/10/2020

  : aviacao-comercial, brasil, internacional