Um Cessna Grand Caravan está sendo utilizado pela startup Xwing para testar sistemas autônomos com base em um avião de passageiros.

A empresa de São Francisco, nos EUA, quer ser a primeira empresa a introduzir tecnologia de voo autônomo em aeronaves comuns. A empresa já realizou vários voos com esse sistema, e utilizando o Grand Caravan, e disse que adquiriu experiência nesses últimos tempos.

Apesar de focar em aviões de passageiros, a empresa espera primeiro investir nas operações do mercado aéreo de carga. O ponta-pé já foi dado, com um certificado de transportadora aérea Tipo 135 da Federal Aviation Administration.

Isso dá permissão para operar serviços de fretamento não programado sob demanda para transporte de carga aérea.

A companhia está testando justamente com o Grand Caravan pois tem como foco o mercado de pequeno porte, de transporte de até 800 kg. 

“Acreditamos que o caminho para a autonomia total começa com o mercado de carga aérea e envolve a supervisão de operadores remotos de frotas de aeronaves não tripuladas”, disse o presidente-executivo e fundador da Xwing, Marc Piette.

“Limitar nossas operações iniciais à carga em áreas despovoadas nos permite isolar essas operações comerciais que deixam o regulador à vontade”, diz Piette.

Até conseguir a autorização para passageiros, a companhia ainda precisa de muita demonstração do seu sistema autônomo, e que o público também tenha adquirido a confiança no voo sem piloto.

Fonte: Aeroflap 21/08/2020

  : aviacao-comercial, aviacao-executiva, aviacao-geral, internacional