A Associação Internacional de Transporte Aéreo anunciou que demanda global por viagens aéreas domésticas e internacionais cresceu 3,6% em julho, em comparação ao mesmo mês de 2018. O índice representa uma desaceleração no ritmo de crescimento em relação a junho, quando o aumento foi 5,1% em comparação com o ano anterior. A capacidade aumentou 3,2% e a taxa de ocupação cresceu 0,3 ponto percentual, chegando a 85,7%, o maior índice já registrado em qualquer mês. Nos sete primeiros meses do ano, o crescimento acumulado da demanda foi de 4,7% em comparação com o mesmo período do ano passado. Entre janeiro e julho, a oferta de assentos aumentou 4,1% e a taxa de ocupação atingiu 82,6%, número 0,5 ponto percentual acima do observado em 2018. Segundo a IATA, cenários de instabilidade internacional, como guerras comerciais, tarifas e incertezas sobre a saída do Reino Unido da União Europeia contribuíram para um ambiente de demanda mais fraco que o registrado no ano passado. As companhias aéreas latino americanas por seu lado, experimentaram um aumento de 4,1% no tráfego em julho, que foi o crescimento mais forte entre as regiões, mas uma queda em relação a 5,8% em junho em relação ao ano anterior. Ocorreu em meio a uma contínua interrupção após o desaparecimento da Avianca Brasil e condições de negócios mais desafiadoras em algumas economias regionais importantes. A capacidade aumentou 2,7% e o fator de carga aumentou 1,1 pontos percentuais, para 85,6%.

Fonte: Flap Internacional 07/09/2019

  : aviacao-comercial, brasil