A emissão de carbono das aeronaves que fazem o transporte aéreo de passageiros diminuiu pela metade desde 1990. Isso é de acordo com um relatório da International Air Transport Association (IATA), que mostra que as companhias aéreas estão se beneficiando da maior eficiência dos novos aviões.

A IATA afirma que grande parte da melhoria se deve na melhoria na eficiência de combustível. Segundo o ICCT, a queima média de combustível de novas aeronaves caiu 45% entre 1968 e 2014. Essa é uma redução anual no consumo de combustível de 1,3%. No entanto, essa melhoria não foi constante.

De fato, durante os anos 80 e início dos anos 90, a eficiência de combustível melhorou em média 2,6% a cada ano, enquanto nos anos 70 houve pouca ou nenhuma melhora.

Esse aumento na melhoria de eficiência é atribuído à adoção agressiva de novas tecnologias, juntamente com princípios de design de aeronaves mais eficientes. À medida que o maior progresso foi alcançado na década de 1980, essas novas aeronaves e tecnologias gradualmente se tornaram mais difundidas, lançando as bases para uma grande redução de CO2 na década de 90.

Outro marco ocorreu em 2010, quando a eficiência de combustível começou a melhorar mais uma vez. A certificação e entrega à ANA do primeiro 787 Dreamliner do mundo em 2011 marcou uma mudança radical no design das aeronaves. As tecnologias aprimoradas de motores e o uso de materiais compósitos tornaram a aeronave mais eficiente nos céus, um título que manteve até a Airbus lançar o A350-900.

No entanto, nenhum desses desenvolvimentos faria diferença se não fossem as companhias aéreas dispostas a investir na renovação da frota. O Relatório Ambiental da Aviação Europeia da Comissão Europeia 2019 mostra que, em geral, as companhias aéreas se esforçam para manter suas frotas com novas aeronaves.

Na Europa, a idade média das aeronaves em todos os setores é de 10,8 anos. No setor de baixo custo, tem uma média de apenas 8 anos. A IATA diz que as companhias aéreas investiram mais de US$ 1 trilhão em novas aeronaves desde 2009.

Além de pilotar aeronaves mais eficientes, as companhias aéreas também voam com mais eficiência. Enquanto na década de 90 o modelo de transporte aéreo hub e spoke reinava supremo, hoje as redes são muito mais sobre o transporte ponto a ponto. Menos conexões significam menos decolagens e pousos, o que significa menos combustível queimado por viagem.

Finalmente, a maneira como essas companhias aéreas acomodam seus passageiros também melhorou, pelo menos da perspectiva do CO2. Os assentos das aeronaves encolheram, o espaço para as pernas diminuiu e as companhias aéreas estão abandonando as amplas suítes de primeira classe em favor de alternativas com eficiência de espaço.

Embora isso possa não ser tão popular entre os passageiros, significa que mais pessoas são deslocadas a cada viagem, reduzindo assim o consumo de combustível associado.

Fonte: Aeroflap 20/01/2020

  : aviacao-comercial, brasil