O primeiro avião comercial de médio porte construído na Rússia após o final da União Soviética avança em seu programa de certificação na Europa. As autoridades da EASA, a agência europeia de aviação civil, concluíram a terceira seção de ensaios no MC-21-300.

As equipes da EASA iniciaram a avaliação do avião em meados de fevereiro, quando realizaram os primeiros trabalhos juntos as autoridades russas, no simulador do avião. O sistema montado em um iron Bird, que é um complexo banco de provas inicial, permitiu aos técnicos europeus conhecerem a fundo as características do MC-21.

A terceira fase incluiu o acompanhamento do processo de voo da fase madura do programa de homologação da aeronave. A expectativa é que a certificação da Rosaviatsiya aconteça em meados de 2020, com as autoridades europeias emitindo as aprovações para o modelo no ano seguinte.

A EASA tem revisto seu processo de certificação baseado em acordos bilaterais após o acidente com o Boeing 737 MAX e as denúncias de falhas estruturais nos procedimentos da FAA, a agência de aviação civil dos Estados Unidos.

O MC-21-300 é atualmente o maior avião comercial projetado na Rússia após 1991, contando com um novo conceito de projeto, produção e certificação. O modelo conta com uma série de fornecedores ocidentais, visando não apenas manter a aeronave no estado da arte em tecnologia, mas oferecer um modelo com características e confiabilidade similares aos modelos produzidos na Europa e Estados Unidos.

Atualmente os quatro protótipos do MC-21-300 são equipados com os motores Pratt & Whitney PW1400G-JM da família Pure Power, a mesma que equipa os atuais Airbus A320neo, A220 e Embraer E-Jet E2. A previsão é que o quinto protótipo seja equipado com os motores PD-14, da russa Aviadvigatel, com foco no mercado interno da Rússia e dos países ainda sob a esfera política e econômica de Moscou.

Fonte: Aero Magazine 06/11/2019

  : aviacao-comercial, internacional