Desde 2017, o número de drones em circulação no Brasil dobrou. Segundo a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), que regulamenta os equipamentos e seus pilotos, há dois anos, havia pouco mais de 30 mil drones no país. Em julho deste ano, o número ultrapassava os 73 mil. Esses equipamentos já se tornaram essenciais nas mais diversas áreas: produção de vídeo, foto e até mesmo nos setores de construção civil e agricultura.

O drone ainda é um equipamento caro e é preciso de treino e regulamentação para operá-lo. De que forma, então, seria possível conseguir imagens aéreas que caibam dentro do orçamento da empresa? Foi a partir de dificuldades como essa que surgiu o site e aplicativo CenaZERO. A plataforma colaborativa conecta quem precisa de um equipamento específico a quem tenha esses itens para alugar. Atualmente, há mais de 32 mil usuários cadastrados na plataforma e 500 opções para aluguel de drones em todo o Brasil. Os valores da diária partem de R$100. Para alugar drones, basta se cadastrar na plataforma, solicitar a reserva, efetuar o pagamento e, depois que o proprietário aprovar, é só combinar os últimos detalhes.

Usos e tendência

A locação de drone não é feita somente em produções audiovisuais. A agricultura e a construção, assim como a segurança, têm usado os equipamentos cada vez mais em situações como o mapeamento de terrenos e localização de um problema em uma plantação. Outra tendência é o uso dos drones em entregas - a Amazon começou a testar o serviço em 2016 nos Estados Unidos. No Brasil, os primeiros testes ocorreram em 2018 pela startup SMX Systems, que oferece soluções de entrega de itens como medicamentos e suprimento médico. Neste ano, ocorreu o primeiro teste de delivery de comida feito pelas empresas SpeedBird Aero, SpeedTransfer, No Bones e Relp! em São Paulo.

Fonte: Infomoney 10/09/2019

  : aviacao-geral, brasil