Apenas 9% dos voos planejados para América Latina e Caribe estão sendo operados no momento. Somente em março, a estimativa é de que a região perca 10 milhões de passageiros que embarcariam em voos comerciais. Estes são dados e estimativas revelados pela Associação Latino-Americana e do Caribe de Transporte Aéreo (Alta), que segue calculando os impactos econômicos causados pela pandemia do coronavírus (Covid-19) na indústria da aviação comercial na região.

Em coletiva de imprensa virtual realizada nesta quinta-feira (16), o CEO da Alta, Luis Felipe de Oliveira, já aborda as perdas que o setor registra desde o início da pandemia. “Esperamos uma redução de 25% no tráfego em março, com cerca de 28 milhões de embarques realizados. São 10 milhões de passageiros a menos se comparado com março de 2019. Prevemos uma redução de 21% no mercado doméstico e 29% no internacional, já sentindo os efeitos da crise”, disse.

Tabela mostra prejuízo perdas no Turismo divididas por países

Com relação ao impacto da pandemia na aviação comercial da América Latina e Caribe em abril, Luis Felipe afirmou que apenas 9% dos voos planejados estão sendo operados. “Considerando apenas voos internacionais, apenas 3% dos voos planejados seguem em operação, ou seja, 97% dos voos marcados para abril não estão sendo realizados. Isto tem um impacto enorme não somente na aviação, mas em toda a indústria do turismo”, destacou o executivo.

Ao considerar apenas o setor de aviação comercial, a estimativa é de 18 bilhões de dólares de prejuízo, uma redução de 49% de capacidade e até 2,9 milhões de empregos em risco em toda a região da América Latina e Caribe. Em todo o setor de turismo, o prejuízo deve chegar aos US$ 32 bilhões. É um número que muda praticamente dia a dia. Teremos uma recuperação lenta, com destaque para o retorno do tráfego doméstico primeiramente”, disse o CEO.

Fonte: Mercado e Eventos 16/04/2020

  : aviacao-comercial, brasil, internacional