A introdução de aeronaves elétricas na aviação comercial deve ocorrer em meados da década de 2040, avalia um especialista do Centro Aeroespacial Alemão (DLR, na sigla em alemão), segundo uma publicação da Flight Global. Andreas Kloeckner, descreveu o cenário na conferência Wings of Change da IATA, em Berlim, no dia 19 de novembro.

O estudioso observa que a pesquisa atual está focada em pequenas aeronaves elétricas do tamanho de passageiros de cerca de 19 assentos, mas que é improvável que transportes como esses voem antes do final da década de 2020.

Aviação comercial

Modelos maiores, como o Airbus A320 ou Boeing 737, exigiriam novas tecnologias, como células de combustível ou energia de hidrogênio, provavelmente trabalhando com baterias, e só estarão prontas até 2040, estima Kloeckner.

“A solução que acreditamos que podemos fazer é construir uma aeronave elétrica híbrida, onde haverá um sistema de gerador de combustão de hidrogênio mais bateria ou células de combustível mais bateria”, diz o especialista.

Com a tecnologia atual, alimentar um jato do tamanho A320 por apenas 1 hora, exigiria uma bateria aproximadamente do mesmo tamanho da aeronave.

Redução de poluentes

As operadoras mundiais mostram interesse nos novos modelos, com foco na redução de emissões de carbono e outros poluentes, além de diminuição no ruído. Os motores elétricos também podem ser facilmente redimensionados, o que significa que motores pequenos podem ser tão eficientes quanto os grandes.

Mas para que o modelo seja ecologicamente correto, deve ser carregadas com eletricidade de fontes sustentáveis, observa Kloeckner.

Fonte: Via Trolebus 26/11/2019

  : aviacao-comercial