A EmbraerX, a divisão de inovação da fabricante brasileira, divulgou um relatório de quase 50 páginas que prevê a criação de um sistema de gerenciamento de tráfego aéreo urbano (UATM, na sigla em inglês).

De acordo com o documento, a EmbraerX em parceria com a Atech e Harris Corporation, sugere um sistema de gerenciamento aéreo específicos para cidades, os UATM, que deverá ser executado por avançadas redes de informação, aliado a tecnologias de automação e inteligência artificial.

De forma similar ao que ocorre na cidade de São Paulo, com rotas especiais de helicópteros, o UATM definirão as rotas aéreas e os corredores que os veículos aéreos devem tomar ao voar entre os vários pontos de operação, que o relatório chama de skyports e vertiports. A diferença em relação ao sistema usado na capital paulista é que todo o processo será autônomo, controlado por inteligência artificial.

A Embraer e seus parceiros acreditam que um único prestador de serviços de espaço aéreo urbano deve gerenciar todo o tráfego durante o voo de cruzeiro. Desta forma, o sistema terá autoridade para abrir e fechar rotas, conceder autorizações de voo e executar um plano de gerenciamento de fluxo único e integrado.

O relatório estabelece um processo de autorização de voos específicos, e o sistema seria capaz de abrir e fechar rotas, conforme necessário, com base nas mudanças climáticas e outras condições. Os veículos aéreos urbanos devem contar com sofisticados sistemas de vigilância, similares aos existentes hoje na aviação, mas com maior grau de autonomia para evitar colisões.

Embora muitos fabricantes de aeronaves, incluindo a Embraer, tenham revelado conceitos para aeronaves eVTOL, o relatório da EmbraerX aborda agora a infraestrutura e os desafios tecnológicos que devem ser enfrentados antes que esses veículos aéreos se tornem realidade.

Fonte: Aero Magazine 08/06/2019

  : aviacao-executiva, aviacao-geral, internacional