Uma start-up dos EUA, formada por um time técnico de peso, revelou planos para desenvolver um avião que viajará a 5x a velocidade do som, transportando passageiros entre Nova York e Londres em 90 minutos ou menos.

A empresa aeroespacial Hermeus Corporation, com sede em Atlanta, disse que obteve financiamento de seus fundadores e investidores privados para desenvolver um avião que viajará a Mach 5 – cinco vezes mais rápido do que a velocidade do som.

Se o projeto for bem sucedido, poderá revolucionar os voos comerciais transatlânticos. Atualmente, as viagens aéreas entre Londres e Nova York levam mais de sete horas. Os criadores esperam que a aeronave seja capaz de um alcance de 4.600 milhas (7.400 km), com uma velocidade de cruzeiro de 3.300 milhas por hora (6.100 km/h).

“Iniciamos uma jornada para revolucionar a infra-estrutura de transporte global, em uma mudança semelhante à evolução do dial-up para a era da banda larga, aumentando radicalmente a velocidade das viagens por longas distâncias”, disse AJ Piplica, co-fundador e CEO da Hermeus, em um comunicado no site da empresa.

Os fundadores da Hermeus incluem ex-funcionários da SpaceX, a start-up de foguetes de Elon Musk, e da Blue Origin, o empreendimento espacial secreto de Jeff Bezos. Todos os quatro fundadores trabalharam juntos na Generation Orbit no desenvolvimento de um avião-foguete hipersônico e no mais novo X-Plane da Força Aérea dos EUA.

Paul Bruce, conferencista sênior do Departamento de Aeronáutica do Imperial College London, emitiu uma nota de cautela. “O maior desafio para o voo hipersônico é a propulsão”, disse ele. “Nós enviamos veículos pequenos para o alto e os voamos hipersonicamente usando scramjets, um tipo avançado de motor a jato. Isso é bastante experimental e temos um longo caminho a percorrer antes de os vermos em um avião de passageiros.”

E acrescentou: “Há muitas outras dificuldades em voar que são de resolução rápida – nós temos as capacidades de engenharia para fazer isso. A questão maior é a questão financeira e, talvez, ambiental. Voar tão rápido vai queimar muito combustível e será muito mais ineficiente do que voar devagar. Mas se há mercado para isso, não tenho dúvida que poderíamos construir um desses tipos de aviões”.

AJ Piplica também comentou as dificuldades e afirmou que uma aeronave de passageiros levaria uma década para ser desenvolvida. “Temos uma infinidade de voo para fazer nesse tempo – teremos pelo menos dois projetos menores de aeronaves que construiremos, testaremos e aprenderemos nesse tempo”, disse ele. “O principal desafio é integrar as principais tecnologias e testá-las. É realmente difícil recriar o ambiente Mach 5 no solo, o que exige repensar o modo como desenvolvemos veículos que operam nesse ambiente. Isso significa que você precisa voar. Temos que construir muitos protótipos e voar cedo, para que possamos aprender e interagir rapidamente”.

As passagens custariam cerca de US$ 3.000 (R$ 12.000) para um voo apenas de ida entre Nova York e Londres.

A Hermeus Corporation não é a primeira a se aventurar em viagens hipersônicas. Em junho de 2018, a Boeing divulgou planos para um avião de passageiros hipersônico. A Lockheed Martin e a Aerion Corporation também estão trabalhando para criar aeronaves hipersônicas.

Se bem sucedido, o avião de Hermeus seria duas vezes mais rápido que o Concorde, o avião supersônico que fez seu último voo transatlântico em outubro de 2003 viajando entre Nova York e Londres em menos de quatro horas.

Fonte: Aeroin 22/05/2019

  : aviacao-executiva, aviacao-geral, internacional