Governo de Alagoas, por meio da Secretaria de Estado do Desenvolvimento Econômico e Turismo de Alagoas (Sedetur), anunciou, nesta terça-feira (14), a redução no ICMS do querosene para aviação no estado. O objetivo é fortalecer a malha aérea. 

A redução será de 12% para 8% ou 6%, e dependerá do número de voos que a companhia aérea incrementar no estado. O decreto está em processo de finalização na Secretaria da Fazenda e em breve vai ser assinado oficialmente.

A iniciativa do estado se deu dias depois que a empresa Avianca Brasil, que está em recuperação judicial, cancelou 34 voos que sairiam ou chegariam ao Aeroporto Internacional Zumbi dos Palmares, em Maceió.

"A redução chega num momento em que um grande competidor acabou de sair do mercado. O trabalho do governo foi diminuir e agora vamos reduzir ainda mais para que os competidores que ficaram possam suprir essa saída. A passagem atualmente está muito cara e temos feito interlocução junto às companhias para reverter esta situação", afirmou Rafael Brito, secretário da Sedetur.

Segundo o secretário, no mês de julho nove voos extras passarão a operar em Maceió, além da recuperação do destino Maceió-Salvador.

"Dos três competidores que restaram, dois sinalizaram positivamente e em julho teremos nove voos extras, que perduram até o fim do ano e o outro competidor está trabalhando em uma proposta. São voos de polos com características emissivas como Goiana, Mato Grosso, cidades do interior de São Paulo e voos de fora do país. Os voos para Salvador sempre chegavam cheios em Maceió e com a saída da empresa competidora a gente acabou perdendo essa conexão. Com a recuperação, vamos estar fomentando o turismo e desenvolvendo emprego", disse Brito.

A partir de dezembro, o Grupo espanhol Aena, vencedor do leilão promovido Governo Federal, vai assumir a administração do Aeroporto Zumbi dos Palmares. Para o secretário, o grupo será mais um aliado na promoção e desenvolvimento do turismo de Alagoas.

"Estamos num momento de malha aérea muito cara, não só em Alagoas, mas em outros estados também, como o Rio de Janeiro e São Paulo, que estão sofrendo com o mesmo problema. Esse movimento ajuda a distensionar o mercado e Alagoas saiu na frente dos outros pensando no volume do turismo nos últimos anos, a grande movimentação no estado. O player que comprou o Aeroporto deve assumir em dezembro e teremos um novo aliado que é o aeroporto, para que a gente possa trazer turistas e desenvolver cada vez mais Alagoas", concluiu Rafael.

Fonte: Gazetaweb 14/05/2019

  : aviacao-comercial, aviacao-executiva, aviacao-geral, brasil