No 1º trimestre de 2019 (1T19), a Embraer entregou 11 aeronaves comerciais e 11 executivas (oito jatos leves e três grandes);

A carteira de pedidos firmes da Companhia atingiu US$ 16,0 bilhões no final do 1T19, considerando-se todas as entregas assim como os pedidos firmes ocorridos no período;

No 1T19, o EBIT[1] e EBITDA² foram de R$ (53,7) milhões e R$ 120,3 milhões, respectivamente, levando a uma margem de -1,7% e 3,9%. Esses valores comparam-se ao EBIT e EBITDA do 1T18 de R$ (27,7) milhões e R$ 177,1 milhões, com margens de -0,9% e 5,7%, respectivamente;

No 1T19, a Embraer apresentou Prejuízo líquido de R$ 160,8 milhões e Prejuízo por ação de R$ 0,22. O Prejuízo líquido ajustado (excluindo-se impostos diferidos e itens especiais) foi de R$ 229,9 milhões e Prejuízo por ação ajustado ficou em R$ 1,25. No 1T18, a Embraer reportou um Prejuízo líquido ajustado de R$ 208,9 milhões e um Prejuízo por ação ajustado de R$ 1,14;

No 1T19, a Embraer reportou um Uso livre de caixa de R$ 2.495,1 milhões, comparado a um Uso livre de caixa ajustado de R$ 1.399,0 milhões no 1T18. A Embraer encerrou o 1T19 com caixa de R$ 9.677,3 milhões e dívida de R$ 13.978,0 milhões, resultando em uma dívida líquida de R$ 4.300,7 milhões, comparada à dívida líquida de R$ 1.704,9 milhões ao final de 2018;

Os acionistas da Companhia aprovaram a proposta de parceria estratégica entre a Boeing e a Embraer durante a Assembleia Geral Extraordinária realizada em 26 de fevereiro de 2019. Na reunião, 96,8% de todos os votos válidos foram a favor da operação, com a participação de 67% das ações em circulação;

O fechamento da operação entre a Boeing e a Embraer continua sujeito à obtenção de aprovações regulatórias e à satisfação de outras condições de fechamento usuais em operações desta natureza, esperadas para o final de 2019;

A Companhia reafirma todas as suas estimativas financeiras e de entregas para 2019.

PRINCIPAIS INDICADORES FINANCEIROS

1 EBIT corresponde ao resultado operacional.

2 EBITDA corresponde ao resultado operacional acrescido da depreciação e amortização.

3 Lucro líquido ajustado não é um parâmetro contábil e exclui o Imposto de renda e contribuição social diferidos no período. No IFRS, o Imposto de renda e contribuição social inclui uma parcela de impostos diferidos que resultam principalmente de ganhos não realizados provenientes dos impactos da variação cambial sobre os ativos não monetários (em especial Estoques, Imobilizado e Intangível). Os impostos resultantes de ganhos ou perdas em ativos não monetários são considerados impostos diferidos e contabilizados no Fluxo de Caixa consolidado da Companhia sob a conta Imposto de renda e contribuição social diferidos que totalizou R$ (78,5) milhões no 1T18, R$ (69,1) milhões no 1T19 e R$ (157,1) milhões no 4T18. O Lucro líquido ajustado também exclui o impacto pós-imposto da provisão relacionada aos itens especiais, que totalizou R$ 238,2 milhões no 4T18. No 1T18 e 1T19 não houve qualquer reconhecimento de itens especiais.

SOBRE A EMBRAER

Empresa aeroespacial global com sede no Brasil, a Embraer completa 50 anos de atuação nos segmentos de Aviação Comercial, Aviação Executiva, Defesa & Segurança, Aviação Agrícola. A Companhia projeta, desenvolve, fabrica e comercializa aeronaves e sistemas, além de fornecer Serviços & Suporte a clientes no pós-venda.

Desde que foi fundada, em 1969, a Embraer já entregou mais de 8 mil aeronaves. Em média, a cada 10 segundos uma aeronave fabricada pela Embraer decola de algum lugar do mundo, transportando anualmente mais de 145 milhões de passageiros.

A Embraer é líder na fabricação de jatos comerciais de até 150 assentos e a principal exportadora de bens de alto valor agregado do Brasil. A empresa mantém unidades industriais, escritórios, centros de serviço e de distribuição de peças, entre outras atividades, nas Américas, África, Ásia e Europa.

Para mais informações, visite o site embraer.com

Este documento pode conter projeções futuras, declarações e estimativas a respeito de circunstâncias ou eventos ainda não ocorridos, incluindo, porém não limitado às declarações de guidance. Estas projeções futuras e estimativas têm embasamento, em grande parte, nas atuais expectativas, projeções sobre eventos futuros e tendências financeiras e industriais que afetam os negócios da Embraer.

Essas estimativas estão sujeitas a riscos, incertezas e suposições que incluem, dentre outras: condições gerais econômicas, políticas e comerciais, tanto no Brasil quanto nos mercados onde a Embraer atua; expectativas e estimativas da direção relacionadas ao desempenho financeiro futuro; planos e objetivos da direção; planos e programas de financiamento e efeitos da competição; tendências para o setor e oportunidades de crescimento; inflação e volatilidade do câmbio; os planos de investimento da Empresa; eficiência operacional e sinergias da Embraer e sua capacidade de desenvolver e entregar produtos nas datas previamente acordadas; resultados de operações; estratégias de negócio; benefícios de novas tecnologias e regulamentações governamentais existentes e futuras.

Para obter informações adicionais sobre fatores que possam influenciar os resultados diferentemente daqueles previstos pela Embraer, favor consultar os relatórios arquivados pela Embraer na U.S. Securities and Exchange Commission (SEC) e na Comissão de Valores Mobiliários (CVM) em particular os fatores discutidos nos capítulos Forward Looking Statements e Risk Factors no Relatório Anual – Form 20F da Embraer.

Palavras como “acredita”, “pode”, “poderá”, “estima”, “continua”, “antecipa”, “pretende”, “espera” e termos similares têm por objetivo identificar expectativas. A Embraer não se sente obrigada a publicar atualizações nem a revisar quaisquer estimativas em decorrência de novas informações, eventos futuros ou quaisquer outros acontecimentos. Em vista dos riscos e incertezas inerentes, tais estimativas, eventos e previsões sobre o futuro podem não ocorrer.

Os resultados reais e a performance da Embraer podem diferir substancialmente daqueles publicados anteriormente como expectativas da Embraer.

Fonte: SEGS 17/05/2019

 

  : aviacao-comercial, aviacao-executiva, aviacao-geral, brasil