Na última sexta-feira, dia 24 de novembro, a administradora do Aeroporto de Guarulhos, GRU AIRPORT, o Departamento de Controle do Espaço Aéreo (DECEA) e diversas empresas aéreas e de prestação de serviço aeroportuário nacionais e internacionais assinaram o Acordo de Cooperação Operacional A-CDM de Guarulhos.

A implantação do processo A-CDM brasileiro, que significa Airport – Collaborative Decision Making ou, em português, Aeroporto – Tomada de Decisão Colaborativa, é inspirada nas práticas de sucesso da Eurocontrol, organização europeia que provê serviços de navegação aérea. A partir da celebração deste Acordo, as empresas aéreas, GRU Airport e DECEA se comprometem com a implementação de ferramentas colaborativas para aumentar a eficiência, a capacidade aérea e, principalmente, otimizar a qualidade dos serviços prestados no Aeroporto de Guarulhos. De acordo com o Brigadeiro do Ar Luiz Ricardo de Souza Nascimento, Chefe do Subdepartamento de Operações do DECEA, a assinatura do A-CDM Guarulhos é a formalização de uma relação “ganha-ganha” baseada no processo de decisão colaborativa, em que todos os participantes da rotina aeroportuária são responsáveis pelo gerenciamento otimizado dos recursos do aeroporto, o que garantirá que o passageiro só ingresse na aeronave quando tudo estive pronto para que o voo seja realizado. No evento, o Brigadeiro Luiz Ricardo lembrou, ainda, a experiência positiva do DECEA na tomada de decisão colaborativa com a implantação da Sala Master durante a Copa e os Jogos Olímpicos e que o A-CDM Guarulhos é uma relação de confiança entre todos os agentes que operaram no Aeroporto de Guarulhos. “A partir de agora temos formalizado o que devemos fazer, é um acordo de trabalho em que todos assumimos nosso desejo contínuo de que a aviação brasileira seja marcada pela vanguarda”, afirmou o Brigadeiro Luiz Ricardo.

A-CDM no maior aeroporto do Brasil

O conceito A-CDM foi estabelecido pela Organização de Aviação Civil Internacional (OACI) para melhorar o desempenho da gestão de tráfego aéreo nos aeroportos. De acordo com o Gerente do Projeto A-CDM no DECEA, Coronel Intendente Regio Marcos de Abreu, o projeto brasileiro surgiu a partir de estudos sobre as melhores práticas para saúde e vida social dos controladores do tráfego aéreo embora sua concepção vá muito além, abarcando toda a capacidade aeroportuária. A ideia de implantar o conceito A-CDM em Guarulhos, desenvolvido em Munique, na Alemanha, e já amplamente utilizado pela Eurocontrol na Europa, surgiu pelo Aeroporto de Guarulhos ser o mais movimentado do país, a principal porta de entrada pelo modal aéreo no país, além de ser um dos principais hub da América Latina, cujas operações impactam em diversos países. Em 2016, o Aeroporto Internacional de Guarulhos registrou 272.141 movimentos aéreos, de acordo com dados do Centro de Gerenciamento da Navegação Aérea – CGNA, o que perfaz uma média de 744 movimentos diários. O projeto A-CDM Guarulhos tem demandado pesquisa nos 19 aeroportos europeus que utilizam o conceito no mesmo nível de complexidade que será implantado em Guarulhos, além de um planejamento para adoção do sistema em outros 15 aeroportos brasileiros. “Com a implantação do conceito A-CDM vamos aumentar a previsibilidade e a satisfação nos voos, o que reduz custos e facilita muito a vida do passageiro, mas a malha aérea é sistêmica por isso o objetivo é expandir o conceito entre outros aeroportos brasileiros”, afirma o Coronel Marcos Abreu. O Presidente do GRU Airport, Gustavo Figueiredo, pontuou, durante o evento de celebração do Acordo A-CDM Guarulhos, que o projeto vai viabilizar que o setor aéreo atinja outro nível de produtividade. “Trata-se de um projeto importante para o país e reafirmo o apoio do GRU na implementação e, principalmente na disseminação do conceito A-CDM”, ressaltou Figueiredo. Segundo o Comandante Miguel Dau, Diretor de Operações do GRU Airport, o Aeroporto de Guarulhos já possui a estrutura necessária para a adoção do conceito A-CDM em suas operações. “Investimos R$ 50 milhões entre 2012 e 2014 na estruturação da área operacional e agora, com o apoio do DECEA e das diversas empresas que operam em Guarulhos, nosso objetivo é tornar o espírito colaborativo numa grande premissa, com treinamento de equipes e adoção de sistemas voltados ao A-CDM”, explica o Comandante Dau.

Aéreas e prestadoras de serviços aeroportuários são essenciais no A-CDM

Além do DECEA e do GRU Airport, diversas empresas que operam no Aeroporto de Guarulhos participam do projeto A-CDM em busca da redução de atrasos, de uma maior previsibilidade dos eventos que influenciam no voo e da otimização de recursos. Para o Comandante Sérgio Quito, Vice-Presidente de Operações da Gol Linhas Aéreas, o conceito A-CDM trará maior regularidade, redução do custo de operações e ganho na eficiência, melhorias facilmente perceptíveis ao passageiro. “A GOL já é responsável por 36% dos voos domésticos no Brasil e buscamos participar da implantação do A-CDM Guarulhos pra garantir a melhoria do serviço ao nosso cliente, a pontualidade e a satisfação do passageiro”, garantiu o Comandante Quito. Além da GOL, as empresas LATAM, Azul, Avianca, Alitalia, Airfrance, Delta, Aerolíneas Argentinas, dentre outras, também participam do projeto A-CDM.

  : aviacao-comercial, brasil