O Instituto Brasileiro de Aviação lançará durante a LABACE, a maior feira de aviação executiva da América Latina que ocorre entre os dias 13 e 15 de agosto, a quarta edição do Anuário Brasileiro de Aviação Civil.

A mais recente edição do Anuário conta com uma nova e mais completa estrutura de conteúdo, com quatro capítulos que cobrem toda a cadeia da aviação, desde as principais tendências e inovações tecnológicas do setor, passando pelos insumos necessários à aviação, dados estatísticos do mercado, até os consumidores finais da cadeia. 

Dessa forma, o conteúdo foi enriquecido para além das tradicionais análises de frota e operações, abordando temas ainda não explorados pela publicação como: as novas  tecnologias disruptivas no setor e as tendências futuras na aviação; a crescente frota de drones; o trading de aeronaves novas e usadas; o monitoramento do perfil do passageiro e das cargas transportadas pelo modal aéreo; dentre outros. E, assim, fomentando novos insights para a tomada de decisões estratégicas de empresas e agentes públicos do setor aéreo nacional.

Análises tradicionais

Segundo os dados do Anuário, em dezembro de 2018 a frota brasileira de Aviação Civil cresceu 0,8% comparado ao mesmo período de 2017. Esse crescimento foi ocasionado pelo aumento das frotas de Aviação Experimental e Geral em 0,9% e 0,8%, respectivamente. A Aviação Comercial apresentou comportamento contrário, reduzindo 0,6% de sua frota em 2018. Nesse ano, a análise de drones foi incorporada à seção de frota e pode ser conferida na versão completa do anuário. Assim como a frota de Aviação Civil, as operações também seguiram as tendências de aumento, com crescimento de 2% das operações da Aviação Comercial e 3% da Aviação Geral. 

Novas análises

O segundo capítulo da publicação trata dos insumos para aviação civil e conta, dentre outros temas, com análises completas sobre a manutenção aeronáutica brasileira, incluindo análises de importação e exportação de peças para a indústria aeronáutica.  Em 2018, o maior valor dessas importações foi referente às partes e componentes de aeronaves, que somaram cerca de 8,7 bilhões de dólares.

Recursos humanos

Esse mesmo capítulo também conta com novas análises de recursos humanos, analisando as principais ocupações e remunerações do setor. Em 2017, a remuneração média dos profissionais do transporte aéreo foi de R$ 5.680,00, 4% a mais que no ano anterior.

Perfil de passageiros e de cargas

O último capítulo aborda o mercado consumidor da aviação e apresenta informações relevantes como o perfil das cargas e dos passageiros transportados pela aviação civil. Nessa seção, são apresentadas análises completas sobre o perfil das importações e exportações via modal aéreo no país.

Também foram acrescentadas análises sobre o perfil dos passageiros que viajam por meio de companhias aéreas comerciais, incluindo análises de gênero, idade, renda e motivo da viagem. Em 2014, o principal motivo das viagens era a trabalho e estudos nos voos domésticos (49,2%) e a Lazer nos internacionais (70,7%).

Esses e outros dados estão disponíveis no quarto Anuário Brasileiro de Aviação Civil, cuja versão impressa será distribuída durante a LABACE ao lado da entrada de acesso do Exhibit Hall e a versão online estará disponível para download após o lançamento. 

O Instituto convida a mídia e o público a fazerem uma visita ao nosso espaço durante a feira para a retirada de um exemplar e esclarecimento de dúvidas ou informações contidas no Anuário.

 Fonte: Instituto Brasileiro de Aviação - 12/08/2019

 

  : aviacao-comercial, aviacao-comercial, aviacao-executiva, aviacao-geral, brasil, brasil, conteudo-exclusivo